♥mais sobre mim

♥pesquisar

 

♥Fevereiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29

♥posts recentes

A despedida...Obrigado po...

...

Elas vao trabalhar juntas...

Uma grande e poderosa voz...

FELIZ NATAL :D

Convite...

Luciana Abreu no Dança Co...

Ri-Fixe! - O musical Flor...

Tempo de paz

Final-Floribella

Luciana Abreu no concerto...

Projectos da Lucy...

Luciana Abreu em Rebelde....

Floribella muda de horári...

Começa já a escrever a tu...

Desculpem a ausência...

Actriz recebe 20 mil euro...

Videos dos episodios

Actores de Floribella des...

"Passei ao lado de uma gr...

♥arquivos

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Quinta-feira, 1 de Novembro de 2007

"Passei ao lado de uma grande carreira no futebol"

'Tenho os pés assentes no chão e sei que a fama é efémera', afirmou Tiago Barroso

Tiago Barroso jogou no Sporting ao lado de Ricardo Quaresma e Hugo Viana, mas, apesar de dizer que sente saudades do futebol, o actor acredita que é na representação que quer estar. Há dois anos que integra o elenco de ‘Floribella’ e garante que a comédia é a sua praia. Enquanto novos projectos não surgem, aproveita para fazer música. Tem apenas 24 anos e já fez história em muitas áreas. Jogou futebol e foi jornalista. Porém, o sonho de ser actor falou mais alto. Multifacetado, diz que se pudesse representaria, cantava e ainda fazia relatos desportivos. Mas é como actor que se sente realizado.

- Correio Vidas TV – É actor, mas já foi jogador do Sporting...

- Tiago Barroso – Passei ao lado de uma grande carreira (risos). Foi uma parte da minha vida e cheguei a ser federado. Comecei a jogar a sério aos oito anos, no Olivais e Moscavide. Depois fui para o Sporting onde estive durante três anos e conheci as vedetas actuais. Deixei o clube porque chegou uma altura em que tive de escolher. Voltei para o Olivais e Moscavide para conseguir ir à faculdade.

- Arrependeu-se de deixar o futebol?

- Tenho saudades, apesar de jogar uma vez por semana. Mas não me arrependo porque adoro o que estou a fazer e sinto-me realizado.

- Jogou com Ricardo Quaresma e Hugo Viana...

- Exactamente. E agora quando os vejo jogar bate a saudade.

- Mantém contacto com eles?

- Não nos telefonamos, mas quando nos encontramos cumprimento-os.

- Por que decidiu tirar comunicação social?

- Muita gente vai à faculdade apenas para ter um curso, uma segurança, mas isso não aconteceu comigo. Gostei muito de jornalismo e trabalhei para jornais desportivos – fui colaborador do ‘Desporto Jovem’ e ainda estagiei no jornal ‘Record’. Até que comecei a fazer um curso de teatro, no Teatro da Luz.

- E terminado o curso...

- No final tinha uma peça que correu bastante bem. Estava supermotivado e convidaram-me para fazer o casting para a ‘Floribella’.

- Diz que um dos seus sonhos é fazer relatos de futebol...

- Gosto muito de jornalismo, principalmente desportivo, e essa seria uma boa maneira de pôr em prática a minha formação. Mas faço relatos de futebol regularmente, nas actuações da minha banda de música: os ‘Aspegiic’ (não é um medicamento, mas também tira dores de cabeça).

- Vê-se a trabalhar como jornalista?

- Tive a sorte de experimentar uma área fascinante que, quando se começa, agarra. Não tirei o curso por tirar, mas sim por gosto, por isso se tiver oportunidade claro que vou aproveitar. Mas a minha prioridade é a representação.

- É na representação que se sente realizado?

- Estou na ‘Floribella’ há dois anos e tem corrido tudo bem. Estou viciado nesta vida. Sinto-me cansado, mas feliz e útil. É isto que quero da minha vida.

- A ‘Floribella’ está a caminho do fim...

- Sim. Mas quero continuar na televisão.

- E há projectos?

- Não posso dizer nada nesse sentido, até porque não tenho certezas. Estou optimista, mas não sinto uma preocupação constante.

- É multifacetado. Joga futebol, foi jornalista, é actor e ainda tem jeito para a música.

- Já disse uma vez que eu estou numa rotunda e tenho várias saídas. Gosto de, de vez em quando, dar a volta à rotunda, mas neste momento tenho o pisca ligado para a representação.

- Teve formação em música?

- Dois anos de aulas de canto. Nunca tive aulas de guitarra, mas toco alguma coisa.

- Agora tem os ‘Aspegiic’, os ‘Kisto’ e a banda da ‘Floribella’...

- Não sei se a banda da ‘Floribella’ vai continuar, mas gostava. A ‘Floribella’ foi um fenómeno muito grande, quer se goste ou não, um produto que revolucionou. Mas agora está na altura de fazermos coisas novas.

- Precisa de mudar?

- Acho que sim. Não é por precisar ou estar farto de fazer o ‘Henrique’. Confesso que vou ter muitas saudades de toda a gente. Damo-nos muito bem e, ao fim de 12 horas de gravações, saímos juntos. É estranho. Acho que na última semana vamos andar tristes.

- Quem o marcou mais nestes dois anos?

- Dou-me bem com todos, mas tenho uma relação especial com os ‘Kisto’: um grupo de música que eu, o Rodrigo Saraiva, o Marco Medeiros e o Afonso Pimentel criámos nos intervalos das cenas.

- Tem uma faceta cómica muito presente...

- A comédia é a minha praia, por assim dizer.

- Os seus pais aceitaram bem a decisão de enveredar pela representação?

- Ao início estavam apreensivos. Não sabiam como as coisas funcionavam, mas aceitaram bem.

- Não se deslumbrou?

- Tenho os pés assentes no chão e sei que a fama é efémera. Nada mudou em mim.

IMAGEM

- Correio Vidas TV – Gosta de se ver na televisão?

- Tiago Barroso – Sou muito crítico. No geral, podia estar melhor. Quanto à imagem, acho que já me habituei a ver o ‘Henrique’ assim. Vou achar estranho quando cortar o cabelo.

- Reconhece ter algum tique?

- Tenho o tique do ‘Henrique’ de ajeitar os óculos. Faço-o no dia-a-dia apesar de não usar óculos. Às vezes até saio do estúdio com os óculos de cena que não são graduados.

- Mudava alguma coisa?

- Acho que o ‘Henrique’ é, no fundo, o totó e acredito que esteja perfeito.

- Qual foi o melhor momento da sua carreira?

- Foram vários. Adorei uma cena na primeira série, em que fomos jogar bowling. Foi hilariante. Gostei ainda da cena na segunda série em que me vesti de freira.

- O momento mais embaraçoso?

- Foi mesmo a primeira cena. Estava muito nervoso, não consegui dormir na noite anterior e acordei mal-disposto. Parecia que ia para uma tortura. Cheguei aos estúdios e sentia-me deslocado, mas depois de gravar a primeira cena só queria mais.

- Gosta de ser reconhecido na rua?

- Acho que não se trata de gosto pessoal. Lido bem com isso e é uma consequência do meu trabalho, o que acaba por ser positivo. Se não me dissessem nada, alguma coisa estaria mal.

- Uma pessoa de referência na televisão?

- Gosto muito dos actores Anthony Hopkins e Jack Nicholson. Em Portugal, aprecio o trabalho do jornalista José Rodrigues dos Santos.

- Conteúdo preferido em TV?

- Vejo imenso desporto e passei a ver telenovelas. Sou víciado em filmes e, sempre que tenho disponíbilidade, fico horas a ver canais de música e documentários.

NAMORO DE QUATRO ANOS CONTINUA FIRME

Há quatro anos que Tiago Barroso namora com Mariana e, apesar das muitas horas de gravação, a relação não tem sofrido qualquer revés. “A Mariana vê-me feliz e é meio caminho andado para estarmos bem”, considera o jovem que, ainda assim, admite a dificuldade de se aceitar a vida de actor. “No início é difícil para as pessoas compreenderem o cansaço e o trabalho, até porque encaram esta profissão como outra qualquer, o que não é”, diz Tiago Barroso. A relação com Mariana tem sido bastante discreta, postura que, segundo o intérprete de ‘Henrique’, não é propositada. “Vivo a minha vida. Não escondo a Mariana, mas também não a mostro. Isto é o meu trabalho e ela acompanha-me quando pode”, garante, acrescentando que a namorada aceita bem o facto de Tiago ser figura pública.

PERFIL

Nasceu em Lisboa, no dia 1 de Maio de 1983. Dos três aos 18 anos estudou no colégio Valsassina onde o pai era professor de Matemática. Enquanto estudava, começou a jogar futebol, tendo vestido a camisola do Sporting, com Ricardo Quaresma e Hugo Viana. “Passei ao lado de uma grande carreira no futebol”, refere o actor quando acabou por optar pelos estudos. Formou-se em Comunicação Social, estagiou no jornal ‘Record’ e, em seguida, decidiu tirar um curso de teatro. No final, foi convidado para fazer um casting para a ‘Floribella’. Ficou com o papel e há dois anos que interpreta a personagem ‘Henrique’. A música é outra das suas paixões, integrando as bandas ‘Aspegiic’ e ‘Kisto’.

 

in Correio da Manhã


publicado por Inês £ Cátia às 21:15
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Jogos de Motas a 28 de Abril de 2011 às 18:49
Obrigado, vou por este blog nos meus favoritos, Mario

Comentar post